E assim se acalmam as hostes. Não há nada como uma posição definida e pronto.
Quem segue isto desde o principio como eu, não precisava destes esclarecimentos. Mas para quem chega agora fazem muita falta. Por isso são diferentes e melhores. Parabéns... escusado é dizer que sei quem escreveu isto. Bom carnaval que é feriado.
G.I. a 16 de Fevereiro de 2010 às 18:20

Lido e aprovado!! já agora fica aqui o esclarecimento ao tal senhor que me tratou de PEIXEIRA,aproveito para lhe comunicar que deve tomar conta ao que escreve! penso que defendi abertamente as ofensas de alguém que maltratou os Lousalenses,mas pelos vistos gosta de ser humilhado!?? eu não e daí ter fervido em pouca água!!!sou Lousalense de nascimento decidi vir apoiar mas vendo a postura de certos Lousalenses que em vez de agirem apenas julgam a linguagem dos outros e se deixam humilhar,só tenho uma coisa a dizer:DESENRASQUEM-SE!! EU JA NAO DOU OPINIAO!!
BEM HAJA AOS QUE SE PREOCUPAM REALMENTE PELAS MINAS DO LOUSAL!!!
Eu mesma a 16 de Fevereiro de 2010 às 21:08

Pois... se isto não esclarecer é porque as mentes estão muito obtusas ou por falta de vontade e maldade. Já nos esquecemos do foi a liberdade e por isso estamos como estamos: cada vez mais presos por interessezinhos que nos consomem a vida. Não abram os olhos que não vale a pena...BELO POST!
Maria Antónia a 16 de Fevereiro de 2010 às 22:27

Ah pois! Pelo menos aqui ainda há liberdade... qualquer dia somos apanhados a ler o jornal na rua (se for o Sol ou qualquer outro que incomode o Sr. Socrates) somos logo presos!
Arrumaram a Moura Guedes, o Mário Crespo, calaram mais do que uma vez o Marcelo e ainda estamos de olhinhos tapados?
Aproveitem enquanto não acabrem com este blog!
Sejam livres enquanto podem
Toino a 16 de Fevereiro de 2010 às 22:37

E todo o povo se encolheu como a maré vazia... belíssimo post se é isso que realmente pensam fazer! Muito bem!
Anónimo a 17 de Fevereiro de 2010 às 00:00

Fernando Nobre candidata-se a Belém

Gatos & Borboletas, hoje às 16:14

A resposta dos portugueses a esta candidatura pode ser uma agradável surpresa para este humanista.
Duvidas em votar nele, não tenho nenhumas.
Estou pronta para fazer parte do grupo de voluntários que ele juntar para a sua campanha.
Fernando Nobre, uma luz ao fundo do túnel!!! Que bom.
Anónimo a 17 de Fevereiro de 2010 às 16:25

Até que enfim que oiço uma notícia que vale a pena ouvir: A candidaturua do DR. FERNANDO NOBRE à Presidência da República. No meio de tanta desgraça, ainda há lugar para notícias boas. A satisfação é tal que não posso deixar de lembrar o Grande Zeca. Venham mais cinco e ainda lá chegamos.
Anónimo a 17 de Fevereiro de 2010 às 18:48

Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010
Presidência da República

Caros amigos,

Decidi escrever estas linhas, no sentido de vos comunicar pessoalmente uma decisão de fundo que tomei enquanto cidadão independente e em nome dum imperativo moral e de consciência para Portugal, uma vez que tenho, por quem acompanha este blog, a maior consideração e respeito.

Resolvi assumir um compromisso com o meu país, Portugal. Serei candidato independente, apartidário e em nome da cidadania, a Presidente da República, nas próximas eleições de 2011.

Esta é uma decisão estritamente pessoal, enquanto cidadão que sou. Muito tenho escrito e dito sobre o dever de todos nós exercermos a nossa cidadania de uma forma activa e corajosa. Sinto que o País atravessa um período em que constantemente se põem em causa os valores e as pessoas, as promessas e os projectos. E sei a gravidade que essa atitude generalizada tem no futuro de todos nós. Acredito em Portugal! Acredito nos portugueses e nas suas capacidades. Somos, no mínimo, tão bons como qualquer outro povo do Mundo. E é isso que pretendo provar, candidatando-me a um lugar no qual penso poder fazer a diferença e dar o exemplo.

Informo por outro lado que a AMI, enquanto instituição absoluta e rigorosamente apolítica, não se imiscuirá neste assunto, estando completamente à margem deste processo.

Sou e serei sempre um ser livre. Rejo-me e reger-me-ei sempre por valores em que acredito e não por qualquer outro tipo de ambição. E neste momento acredito poder vir a ser mais útil num outro contexto.

Espero que compreendam as minhas palavras quando, sexta-feira ao fim da tarde, no Padrão dos Descobrimentos, a minha decisão de candidatura for, por mim, tornada pública. E quero que saibam que a minha motivação é exclusivamente uma: acreditar que posso fazer a diferença, não me acomodando nunca.

Com a maior consideração.

http://fernandonobre.blogs.sapo.pt/

Anónimo a 17 de Fevereiro de 2010 às 22:43

Comentário de Tiago Mota Saraiva
Data: 17 de Fevereiro de 2010, 23:15

Isabel, pelo que percebi os soaristas até apoiavam a Floribela! Vê-se nos seus discursos uma ânsia de tramar Alegre que se vai fechando no seu quadrado encostado ao Largo do Rato.
Não tenho nada contra Fernando Nobre e reconheço-lhe um percurso de vida muito interessante. Incomodar-me-á se não despejar da carroça os soaristas que, por enquanto, são apenas órfãos a tentar tomar as rédeas da sua candidatura.

Anónimo a 17 de Fevereiro de 2010 às 23:17

De Sérgio Cabral a 17 de Fevereiro de 2010 às 20:41

Esta candidatura surpreendeu-me e, concerteza, que surpreendeu os partidos da nossa democracia. Pelo seu valor (de alguém que se entrega por amor ao que é importante) esta candidatura declara-se vencedora.

Força Dr. Fernando Nobre!

Um abraço,
Sérgio Cabral
Anónimo a 18 de Fevereiro de 2010 às 00:54

Excerto de "Símios Aperfeiçoados II"

"E estou absolutamente crente que do naufrágio calamitoso apenas se hão-de salvar os que pela porta do cavalo fugirem ao triturar das grandes colectividades humanas, ou os que por força invencível e instintiva se libertarem para uma nova categoria de homem, ou, melhor dizendo, para a sua verdadeira categoria de homem, de homem-pensamento, na linha directa de um Platão, de um Homero, de um Aristófanes, de um Plutarco.
A humanidade dá-nos, assim, um triste espectáculo de andar para trás, melhora em lepra social, colectiviza-se e baixa logo na escala humana, retrocedendo para uma classe entre os antropopitecos e o erectus, a que chamarei Màchomem.
E todos os dias o mundo assiste ao melancólico desfile de milhares de seres que passam a Màchomens, na satisfação plena da sua jaula colectiva sem grades. E como os macacos, os elefantes, os cães e mais bicharia, os Màchomens passam imediatamente a falar a sua língua universal, sem necessidade de tradução, estendendo actividades físicas e associativas desde a Polinésia ao sul de Itália, trocando saudações, mensagens, hinos, desfiles, comícios, e tantas outras indigestões apaixonadas dos grupos de seres que deixaram de ter fronteiras e vocábulos regionais. O cão que ladra nas margens do Danúbio assemelha-se aos poderosos Serra da Estrela, sem distinção de maior que nos faça ter preferências por qualquer um destes ladrares. O Màchomem da Amadora em muito pouco se virá a distinguir do Màchomem de Detroit, Chicago, Manchester, Dusseldorf."

de Ruben A., in "O Mundo À Minha Procura I"
Anónimo a 18 de Fevereiro de 2010 às 12:11