....

É, pois, com muita Alegria e com uma renovada ssperança em Portugal que eu, cidadão irrelevante de Portugal, reforço aqui, ali e em toda a parte o meu apoio total e incondicional à candidatura do Doutor Fernando Nobre à Presidência da República Portuguesa nas eleições que terão lugar no início do próximo ano. Com um Abraço do tamanho dos Mundos.
Viva a Liberdade !
Viva o Povo Português !
Viva o Presidente Fernando Nobre !
Viva Portugal !
Anónimo a 20 de Fevereiro de 2010 às 12:57

De Ester Margarida Nunes a 20 de Fevereiro de 2010 às 21:58

Fiquei muito contente com a sua candidatura!! Há umas semanas atrás reflectia sobre quem seria o meu candidato ideal... alguém que fosse verdadeiramente inspirador, que fosse uma referência maior. Alguém que não tivesse criado ilusões, que não tivesse dado desilusões e que pudesse unir o país, independentemente das ideologias e o Fernando Nobre foi a pessoa em quem eu pensei, sem dúvidas. Quando soube da sua candidatura fiquei perplexa, nunca pensei que aquele desejo se tivesse tornado realidade.

http://fernandonobre.blogs.sapo.pt/19273.html#comentarios
Anónimo a 21 de Fevereiro de 2010 às 13:07

"Sugiro que nos libertemos das correntes partidárias, as quais asfixiam a democracia, limitando a participação dos cidadãos independentes.
Sugiro que pensemos pela própria cabeça.
Sugiro que mostremos um cartão vermelho aos políticos profissionais, que nunca fizeram nada na vida porque nada mais sabem fazer do que viver (bem) à custa dos contribuintes. Já basta de candidatos "mais-do-mesmo".
Sugiro que apoiemos um homem Nobre, um cidadão com que aqueles que precisam sempre puderam contar.
Eu sei que posso contar com ele. Ele pode contar comigo e com o meu voto.
Sugiro que visites o site da sua candidatura:

http://www.fernandonobre.org/
Anónimo a 21 de Fevereiro de 2010 às 13:08

“Mentiras e verdade”

Afinal tudo não passou de um rol de mentiras, era mentira que existisse um qualquer plano para controlo da comunicação social, até porque tal não é possível num estado de direito como já foi provado por inúmeras figuras de renome da nossa praça.

Era mentira que existisse um pagamento a um reconhecido futebolista para participar numa qualquer campanha eleitoral, o que existiu foi um contrato para a promoção de um conhecido parque empresarial, ou não estão fartinhos de ver a publicidade dessa campanha de promoção ?

Para não falar da mentira e mais pura alucinação de alguns órgãos de comunicação social que agora divulgam escutas que são pura e simplesmente inventadas, pois tais conversas nunca tiveram lugar, como já tivemos oportunidade de ouvir pelos desmentidos dos diversos visados.

No final de tudo isto fica apenas uma única e obscena verdade que é o valor do salário de um alto quadro e administrador de uma conhecida empresa nacional, seguramente indevidamente envolvida nesta teia mentiras e que auferia um milhão e duzentos mil euros anualmente.

A não ser que esta verdade também seja mentira, nunca se sabe, este valor representa o salário mínimo pago a cem trabalhadores pelo período de dois anos, a não ser que a matemática também seja uma mentira.

Mas é claro que esta verdade, ou mentira, conforme acreditemos ou não na matemática, não é nada que ponha em causa o estado de direito em que vivemos, a menos que já não estejamos a viver num estado de direito, verdade ?

Não mentira, é claro que ainda estamos a viver num estado de direito e onde todos acreditamos na matemática e assim ficamos a saber que para alguém auferir aquele obsceno valor, ganho num ano, teria que trabalhar durante duzentos e dez anos a ganhar o salário mínimo, é verdade !
Anónimo a 22 de Fevereiro de 2010 às 00:37

Ele há diferentes tipos de prostitutas:
as caras e as baratas,
as feias e as bem parecidas,
as famosas e as desconhecidas,
as gordas e as franzinas,
as evidentes e as submarinas.
O proxeneta não vai em tretas
protege-as com disciplina
e quem com ele atina,
sem necessidade de ter grande miolo,
recebe sempre uma fatia do bolo.

Consulino Desolado

http://altohama.blogspot.com/2010/02/quem-nao-queria-ser-um-rui-pedro-soares.html
Anónimo a 22 de Fevereiro de 2010 às 00:37

Mea culpa
por Antero de Quental

Não duvido que o mundo no seu eixo
Gire suspenso e volva em harmonia;
Que o homem suba e vá da noite ao dia,
E o homem vá subindo insecto o seixo.

Não chamo a Deus tyranno, nem me queixo,
Nem chamo ao céo da vida noite fria;
Não chamo á existencia hora sombria;
Acaso, á ordem; nem á lei desleixo.

A Natureza é minha mãe ainda...
É minha mãe... Ah, se eu á face linda
Não sei sorrir: se estou desesperado;

Se nada ha que me aqueça esta frieza;
Se estou cheio de fel e de tristeza...
É de crer que só eu seja o culpado!

http://pt.wikisource.org/wiki/Mea_culpa
Anónimo a 22 de Fevereiro de 2010 às 16:08

“Que país moderno, civilizado, não teria orgulho em ter como presidente da república um Homem como Fernando Nobre?
Já ouvi dizer aos "iluminados" (um tal Alfredo Barroso) que debitam na tv sabedorias de manual estafado, como se falassem para tolos, que F. Nobre não tem experiência política. Por favor. O que é isso de experiência política? É o curso que os partidos dão! Ou a lavagem cerebral! O cidadão F. Nobre tem todas as qualidades que qualquer candidato às causas públicas devia reunir: entrega total ao serviço público sem exigir nada em troca, ética, honestidade, nobreza, espírito humanitário, visão global do mundo real, espírito de solidariedade, conhecimento dos povos, é um humanista, sensibilidade aos que sofrem e às injustiças. Tudo isto chega e sobra.
Quanto ao M. Alegre. A sua oportunidade já passou. Quando devia fazer, nada fez. Está fora do prazo de validade.
O presidente actual, também já deu o que tinha a dar. Nada surpreendeu. Igual ao que já sabíamos.”
Anónimo a 23 de Fevereiro de 2010 às 16:23

“Fernando Nobre Por mais que o tentem denegrir e lançar toda a espécie de ataques raivosos, típico dos fracos de pouca índole moral, esta cambada de políticos que nos têm governado, não lhe chega sequer aos tornozelos em competência, ética e humanismo. O Sr. tem provas dadas enquanto a maioria destes, só tem a inscrição num partido como se clube de futebol fosse! Os muito poucos, com verdadeiro passado de luta pela, democracia encostados ao luxo que os seus partidos lhes oferecem, envergonhados ou sem vergonha, não dizem nada. A corrupção no país, a incompetência e a podridão que vai pelos partidos políticos, especialmente nos que têm governado, é o único factor da falta de desenvolvimento deste país. As mais altas instituições públicas servem este sistema podre, atrozmente cúmplices. A justiça é conforme os interesses, violenta com os fracos e branda com os do poder. Como cidadão, sinto-me melhor representado por si, do que por aqueles 230 que lá andam por S. Bento. Sim, Voto.”
Anónimo a 23 de Fevereiro de 2010 às 16:35

Eu pertenci até agora infelizmente á lista dos absentistas das eleições em Portugal contam-se pelos dedos as vezes que votei! Não sabia onde estava o meu cartão de eleitor , e já o encontrei .Estava perdido á espera de um candidato que merecesse o meu voto ! Fernando Nobre chegou e eu vou sair dessa lista. Todo o meu apoio e amizade!
Anónimo a 23 de Fevereiro de 2010 às 17:00

“O novo futebol”

Ontem um deputado do principal partido da oposição considerou a primeira parte da entrevista do primeiro ministro da nação penosa, a propósito da abordagem feita ao caso das escutas no processo face oculta.

Hoje um ministro da nação considerou penoso a insistência do principal partido da oposição em substituir o debate político por uma campanha de ataques pessoais, referindo-se às críticas àquela entrevista dada pelo primeiro ministro da nação.

É certo que em todas as equipas existem cães de fila cuja principal função é atirarem-se às canelas dos adversários e sabemos também que quem se mete com algumas equipas leva, mas nós estamos a falar das equipas que nos têm governado nos últimos trinta anos, um pouco mais de “fair-play” seria o mínimo exigível para elevar a qualidade do espectáculo.

Se estivéssemos a falar de futebol eu diria que se registou um empate, pois o deputado marcou um golo na baliza do governo e por sua vez o ministro marcou um golo na baliza desse partido da oposição e nós todos povo anónimo que adoramos futebol a assistir e a aplaudir um ou outro consoante o clube da nossa simpatia.

Mas o que é penoso é que desde há muito que assistimos a estes desafios e tal como neste exemplo recente o que se tem registado quase sempre são empates e nós que pagamos os ingressos gostaríamos de assistir a um espectáculo de maior qualidade.

E como bons treinadores de bancada que somos temos sempre a nossa opinião sobre o que está mal, uns acham que o problema está no sector da defesa, outros no sector do ataque e outros ainda que é a táctica que está errada, mas como é normal nestas discussões o consenso raramente surge.

A hipótese de mudar de treinador já várias vezes foi ensaiada mas com parcos resultados, provavelmente o que necessitamos é de reinventar as regras do jogo e em vez de haver duas balizas passaria a haver apenas uma e todos os golos seriam aí marcados, assim deixava de haver empates e passava a haver apenas vitórias e a receita dessas vitórias reverteria a favor do povo que paga o espectáculo e que assim passaria a ter algumas contrapartidas pelo seu investimento.
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2010 às 01:05